Especiais
HOMENAGENS ESPECIAIS
14 / Jun / 2010
MURILO BADARÓ

MURILO BADARÓ

          Nos início anos 50, Murilo Badaró se apresentava para multidões em óperas em Belo Horizonte. Usava como pseudônimo, o nome de Ricardo Villas.

          Ele era natural de Minas Novas, Minas Gerais, nascido a 13 de setembro de 1931. Estudou na Escola Primária em Minas Novas, Cursou o Ginásio e 2º grau no Instituto Padre Machado em Belo Horizonte, formou-se em Direito pela Universidade de Minas Gerais, pós-graduado em Sociologia Política e Administração Pública pela Faculdade de Economia da UFMG, ainda fez os Cursos de Segurança e Desenvolvimento - ADESG em Belo Horizonte no ano de 1969, Curso de Mercado de Capitais – CETEB em Brasília no ano de 1971, Curso de Segurança e Desenvolvimento em Brasília também em 1971, Estágio Administrativo sobre projetos setoriais no Tennessee Valley Authority, nos Estados Unidos da América em 1967-68, Curso da Escola Superior de Guerra no Rio de Janeiro em 1975, Estágio na Fundação Konrad Adenauer do Partido Democrata Cristão da Alemanha e na Fundação Hans Seidel, do CSU da Baviera.

          Iniciou sua trajetória na política em 1958 aos 27 anos como deputado estadual por Minas Gerais, sendo Líder do PSD na Assembléia Legislativa de Minas. Em 1962 foi reeleito com expressiva votação. Foi secretário do governo Israel Pinheiro. Em 1964 repudiuou a cassação de Juscelino Kubitschek, cujo discurso lhe rendeu o título de "Protesto de uma Geração"

          Em 1967 candidatou-se a deputado federal, sendo eleito e, posteriormente, reeleito para outros dois mandatos. Membro da Comissão de Educação, Justiça e Relações Exteriores e Presidente da Comissão de Educação e Cultura da Câmara dos Deputados.

          Em 1968, o então deputado federal votou contra a cassação do Deputado Moreira Alves. Por consequência, foi afastado da Comissão de Constituição e Justiça da Câmara dos Deputados e ainda teve seu nome na lista para cassação de direitos políticas enviada ao Presidente da República Costa e Silva. Em 1979 tornou-se senador pela ARENA. No Senado, foi indicado pelo presidente Figueiredo para ser líder do governo. Além da contribuição para a abertura política iniciada naquele período, Murilo Badaró ainda foi presidente da mais importante comissão do Senado Federal, a Comissão de Constituição e Justiça.

          Alem disso, foi ainda, Secretário Geral da Aliança Renovadora Nacional, Professor de Sociologia do Curso de Comunicação do Centro Universitário de Brasília (CEUB), Vice-Líder do Governo e Líder da Oposição no Senado Federal, Ministro de Estado da Indústria e Comércio, Presidente da Academia Mineira de Letras, Presidente do Centro de Pesquisa e Estudos Mineiros, Vice-Presidente e Presidente do Banco de Desenvolvimento de Minas Gerais –BDMG, Vice-Presidente da Diretoria Executiva e Membro do Conselho de Associados da ABDE - Associação Brasileira de Instituições Financeiras de Desenvolvimento, Sócio Fundador da Academia Mineira de Direito Militar, Prefeito do Município de Minas Novas – MG, Membro do Centro Jurídico Brasileiro.

          Recebeu diversas condecorações; Grande Medalha da Inconfidência, Medalha do Mérito Naval Tamandaré, Medalha da Ordem do Mérito Militar, Medalha da Ordem do Mérito Aeronáutico, Medalha da Ordem do Mérito Naval, Medalha da Ordem do Mérito de Brasília, Medalha da Ordem do Mérito Judiciário do Trabalho, Medalha Carlos Chagas, Medalha Santos Dumont, Medalha Juscelino Kubitschek, Medalha do Mérito Tiradentes da Polícia Militar de Minas Gerais, Medalha do Mérito da Assembléia Legislativa de Minas Gerais, Medalha da Ordem do Mérito Rio Branco, Medalha da Ordem do Ipiranga do Estado de São Paulo, Medalha da Ordem do Congresso Nacional, Medalha do Mérito da Fundação Clóvis Salgado -Minas Gerais, Medalha do Mérito Mauá, Medalha do Pacificador, Medalha José Maria Alkimim do Tribunal  de Contas do Estado de Minas Gerais, Medalha Coronel Fulgêncio de Sousa Santos da Polícia Militar de Minas Gerais, Medalha Gustavo Capanema do Governo de Minas Gerais, Medalha da Ordem do Mérito Educacional de Minas Gerais, Medalha do Alferes Tiradentes da Polícia Militar de Minas Gerais, Medalha do Mérito Judiciário de Minas Gerais, Medalha de Honra UFMG - Administrador Público - Destaque Faculdade de Direito da UFMG, Medalha Cel. Ary Braz Lopes da Academia de Letras Guimarães Rosa da Polícia Militar de Minas Gerais.

          E finalmente, suas obras e trabalhos publicados: Do Jequitinhonha ao Tennessee - ensaio sobre a vida americana em 1967, Reforma e Revolução - uma interpretação político-econômica da crise mineira em 1970, Memorial Político - coletânea em 1976, Alma de Minas - coletânea em 1984, O Bombardino – crônicas em 1986, Vigésimo Mandamento - crônicas em 1992, Várias monografias e discursos parlamentares, José Maria Alkmim, uma biografia em 1998, Milton Campos - O Pensador Liberal em 2000, Gustavo Capanema - A Revolução na Cultura também em 2000, Floresta de Símbolos – crônicas em 2004, Rondó Solitário em 2006, Memórias Póstuma de Francisco Badaró em 2008 e O Homem que salvou a República – uma biografia de Bilac Pinto em 2010, seu último livro.

                   

Comente essa publicação